O piso da cozinha

Essa escolha foi relativamente fácil. Talvez a mais fácil até agora.

Como a cozinha seria integrada à sala, pensei em mandar o piso de madeira pela casa toda, para ter uma continuidade de pisos, mas o arquiteto (quer dizer, maridão) desaconselhou. Disse que, numa cozinha, um piso de madeira poderia estragar facilmente por ser molhado e engordurado com frequência, além de ser bem mais difícil de limpar adequadamente.

Pensamos então no cimento queimado, pois a idéia de rusticidade nos agradava. Mas o cimento queimado, além de ser mais escorregadio quando molhado, ainda racha com o tempo e eu realmente não queria ter que trocar de piso tão rápido.

A solução ideal mesmo seria um porcelanato. Existem milhões e milhões de tipos, formatos e preços de porcelanatos. Acho muito difícil escolher somento um. Combinar com a cozinha preta não restringiria muito a escolha, uma vez que quase tudo combina com preto.  Resolvemos nos basear na nossa idéia inicial do cimento queimado e escolher o piso Bauhaus Cement da Portobello. Ele vem em placas de 1,20m x 0,60m e o rodapé segue a mesma linha, em placas lineares de 1,20 x 0,15m.

O piso é muito bonito, mesmo imitando o cimento queimado. Via de regra quando um material tenta imitar o outro, o resultado é (quase) sempre brega, mas como essas peças são grandes, tem uma textura rústica, estarão alinhadas exatamente com o final das bancadas da cozinha e o rejunte será de um cinza muito próximo às peças, acho que haverá uma continuidade no piso e o resultado estético final deverá ficar bem bonito. Vamos ver. Prometo fotografar depois do acentamento.

Achei no site da Portobello uma foto de um ambiente usando o Bauhaus Cement:

Piso Bauhaus Cement da Portobello


O piso

Eu realmente queria um piso de madeira. E queria um piso claro. Os mais lindos dentre os pisos de madeira mais usados aqui no Brasil são os pisos de Amendôla ou Tauari. Porém, todos os fornecedores e consultores foram unanimes: são pisos de madeira “mole”, portanto com menor resistência a cupins, salto alto e principalmente a crianças. São pisos para uma casa onde há apenas pessoas adultas.

Piso de amendola

 

Piso de Tauari

No final das contas, optamos por uma madeira mais resistente, o Cumaru. Não é tão clara, mas acho que vai ter o efeito esperado.
Definida a madeira, pensamos no formato: assoalho de tábuas corridas ou taco-palito? Eu acho que assoalho é mais fino e elegante, tacos-palito são um pouco modismo, porém a área a ser revestida, mesmo na sala , não seria muito grande (a madeira revestirá o apartamento todo, menos cozinha e banheiros) e daria a impressão que a sala é menor. Assoalho corrido implica em tábuas de 40cm a 7,00m.  Ia ficar meio “peru no pires”, se é que me entendem.
 
Sendo assim, decidimos pelo taco palito cumaru, e ficamos felizes. Acabamento totalmente fosco e rodapé de 20 cm branco em MDF. Quando tiver pronto, fotografo.
 
Depois de fazer alguns orçamentos nas melhores casas do ramo (é melhor evitar fornecedores desconhecidos porque a chance de ficar com defeito existe). Optamos pelos Assoalhos Morumbi.
 
E assim, mais uma etapa foi decidida e paga. Ufa!
 

taco palito cumaru

 

A escolha da cozinha

Cozinha integrada. Foto do site casa.abril.com.br

A principal razão para termos escolhido esse apartamento foi a disposição da sala/cozinha. Dava para “abrir” a cozinha para a sala e ganharmos um ambiente social grande e confortável. Procurávamos essa característica em todos os apartamentos que visitávamos (e olha que visitamos muitos), e esse nos apresentou a melhor configuração para o que tínhamos imaginado.

Temos uma família grande e festeira e a ala social da casa é muito usada. Além do mais, adoro receber e cozinhar. Com a sala integrada à cozinha, poderei usar meus amigos como cobaias com mais facilidade.

Acho que a cozinha integrada é o mais novo sonho “pequeno burguês”. As senhoras ricas e requintadas olham para ela com certo desprezo, afinal onde já se viu misturar visitas com cheiro de fritura e a bela vista de alguém lavando louça? Porém, nesse caso, vou admitir a minha informalidade e me deixar levar pela febre das ditas “cozinhas gourmets”. Quando eu ficar milionária e tiver uma casa de 800 metros quadrados, quem sabe não fecho a cozinha novamente?

Além do mais, maridão sempre diz: quando menos paredes, maior a sensação de espaço.

Posto isso, devo dizer que decidimos começar a reforma partindo de uma linda cozinha planejada (cada vez mais main stream, nem eu me reconheço).  Claro que sabíamos (ou pensávamos que sabíamos) que cozinhas planejadas tinham um custo elevado. Bem, não sabíamos o quanto elevado era.

Enfim, orçamentos feitos, milhões de reuniões e plantas em pelo menos 5 grandes lojas de cozinhas planejadas, acabamos optando pela Florense (da Rebouças), que nos pareceu o melhor custo-benefício, apesar de nem de longe ser o melhor preço.

Nem eu mesma podia imaginar o trabalho de dá “definir” uma cozinha. Tamanho, cor, cada compartimento, módulos, ferragens, prever eletrodomésticos, etc, etc.  Depois das minúcias detalhadas, das medidas em obra e de várias reuniões, chegamos finalmente a esse projeto:

Essa é a bancada posterior da minha cozinha

 Nesta bancada, haverá uma cuba dupla para lavagem de louças,  e eletrodomésticos, incluindo um forno elétrico. Essa parede abaixo dos armários será revestida, mas ainda não definimos com o quê. Aliás, aceito sugestões. Ainda há bancada  da frente, que fará a integração com a sala. E que terá o fogão de embutir, a coifa e mais uma pia.  Será a bancada de preparo de alimentos.

A cor preta foi escolha (e responsabilidade) exclusivamente minha. Meu marido e a projetista da loja aconselharam fortemente o branco, mas eu também não sou tão convencional assim. Há muita luz no apartamento, uma cozinha preta não ficará escura e será linda e muito moderna. Optamos pelo granito preto São Gabriel devido ao custo mesmo. A idéia original era colocar silestone preto ou colorido, mas o custo do silestone para duas bancadas grandes era proibitivo. 

 A próxima etapa é definir revestimentos e eletrodomésticos que se adeqúem a minha querida e desejada cozinha preta. Aguardem cenas dos próximos capítulos.

Estamos nesse estágio da obra:

E a parede veio abaixo
 
 
 

 

 


A primeira reforma a gente nunca esquece

Sei que tenho pouquíssimo tempo livre, com duas meninas pequenas e uma reforma começando, mas resolvi começar a escrever esse blog por algumas razões básicas:

1) Quem sabe alguém lê e me ajuda com pitacos? O ponto de vista de possíveis futuros leitores me interessa muito.

2) Como não tenho com quem reclamar sobre a reforma, posso reclamar aqui no blog.

3) Acho que as impressões de quem não é da área de arquitetura/decoração e nunca passou por uma reforma devem ser, no mínimo, hilárias.

4) Meu marido é arquiteto, o projeto é dele e  ele está surtando com a reforma. Achei que um blog seria o lugar mais interessante para eu poder usar todo o humor sarcástico que Deus e dar umas risadas sem correr risco de vida.

Enfim, divirtam-se com o meu sofirmento e deem muitos pitacos, afinal, só que já passou por uma reforma sabe o quanto ela pode ser angustiante e empolgante ao mesmo tempo.